BIO.COMBRASIL

SIMPOSIO BIO.COMBRASIL 2016 

Combustível para Energia Renovável

 

BIOMASSA ENERGETICA – UM MUNDO DE OPORTUNIDADES

REALIZAÇÃO: IBIOM, FIESC, UFSC/LABCET, BIOFAIR

 

O SIMPOSIO BIO.COMBRASIL 2016 – Combustível para Energia Renovável  será realizado no dia 25 de novembro nas instalações da FIESC – Federação da Industria de Santa Catarina. Este ano trará um evento focado em tecnologias de produção e consumo de biomassa sólida combustível e objetiva convidar empresas interessadas em utilizar a biomassa em seus processos, mostrando o potencial de utilização da biomassa processada e padronizada dentro de suas vantagens e limitações, assim como difundir os avanços tecnológicos que possibilitarão o crescimento sustentável para atendimento aos mercados industrial, comercial e de serviços.

O Simpósio BIO.COMBRASIL 2016 é um evento exclusivo que reunirá visões de membros líderes de diversas instituições e empresas relacionadas ao setor da biomassa combustível e promoverá o diálogo entre os participantes visando organizar as demandas do setor nos cenários político e institucional.

(O evento é gratuito e as vagas são limitadas)

 

Contribuição Social, Econômica e Ambiental

A biomassa combustível é o material orgânico sólido derivado de plantas e disponível de forma renovável e sustentável. Inclui, por exemplo, os combustíveis sólidos oriundos de troncos, caules, folhas e cascas de origem florestal, assim como as cascas, palhas e bagaços de origem agrícola. A biomassa combustível é utilizada in-natura ou processada, por exemplo, na forma de cavaco, briquete ou pellet, e reveste-se de grande importância no cenário das energias renováveis devido à magnitude do consumo e impactos produzidos por esse setor transversal em todos os demais setores da economia.

Santa Catarina apresenta importante produção agrícola e florestal com significativos reflexos na indústria de transformação. O balanço energético do setor industrial no estado de Santa Catarina aponta que 59 % da energia final consumida no setor industrial no estado provém de biomassa sólida, um valor que corresponde a 2491 mil tep/ano. Esse consumo de biomassa reduz os custos de produção e aumenta a sustentabilidade ambiental dos produtos e negócios catarinenses. As tendências atuais apontam para o rápido crescimento tecnológico, abertura e consolidação de mercados setoriais internos e externos, redução dos riscos econômicos na implantação de novos projetos, melhorias de condições de infraestrutura e amadurecimento das legislações que regulam o setor de renováveis. A grande capilaridade dos negócios de biomassa, com potencial em todas as regiões do Brasil, resulta na possibilidade de criação de cadeias de produção e consumo rentáveis e sustentáveis.

O potencial da biomassa combustível não se restringe à cadeia da biomassa apenas. O desenvolvimento acompanhado da redução das desigualdades regionais e do aumento da qualidade de vida da população está atrelado à maior produção industrial, tanto de produtos de consumo, quanto daqueles ligados à infraestrutura, como metais, cimento, celulose e químicos, que são todos setores energeticamente intensivos. As ações em prol da produção de energia sustentável devem se tornar um dos pilares do crescimento futuro. A produção e utilização das várias formas de biomassa sólida combustível apresenta excelente potencial de redução de impacto climático oriundo das emissões de CO2, de criação de mercados estáveis e economicamente rentáveis reduzindo o uso indiscriminado das matas nativas, de aumento da rentabilidade dos negócios, de profissionalização e de geração de emprego, incluindo os empregos e negócios indiretos relacionados com a produção, transporte, processamento e logística.

Público Alvo

(O púbico é limitado a 150 participantes)

Resultados Esperados para Estado

Ao final do evento, objetiva-se avançar nas estratégias que contribuirão com a promoção e qualificação desta cadeia produtiva, com a segurança energética e com a melhoria das condições sociais e ambientais do Estado, em especial, das regiões que mais se beneficiariam da atração de novas empresas, inovação tecnológica, agregação de valor à cadeia produtiva da biomassa e qualificação técnica. Esse potencial apresenta-se como uma oportunidade única para crescimento econômico e social do Estado de Santa Catarina

 

PROGRAMAÇÃO BIO.COMBRASIL 2016

Data :25 de novembro de 2016

Local: Federação da Indústria de Santa Catarina, Rua Admar Gonzaga 2765, Itacorubi, Florianópolis

8h00 Credenciamento

8h30 Abertura

9h00 – – Agenda Propositiva para o Setor da Biomassa Energética – Resultados do Bio.ComBrasil 2015

Amir A. M. Oliveira Jr. (UFSC-Florianópolis)

 

9h20  Painel 1 : Panorama da produção de biomassa combustível

Apresentações e Mesa Redonda

Sebastião Renato Valverde – Professor de Política Florestal da Universidade Federal de Viçosa  (UFV), Membro da Câmara Setorial de Florestas Plantadas do MAPA  e Diretor Geral da Sociedade de Investigações Florestais (SIF)

Joésio Siqueira (Vice Presidente da STCP),

Mediadora: Martha Andrea Brand (CAV-UDESC)

 

10h30 Coffe Break

 

10h50 Painel 2: Panorama do setor de novas tecnologias para biomassa combustível

Apresentações e Mesa Redonda

Tecnologias para conversão de biomassa – Manoel Fernandes Martins Nogueira – Universidade Federal do Pará – UFPA, consultor do BID para Centrais Hidro e Termoelétricas

O impacto transformador da tecnologia e da inovação no mercado mundial de energia da biomassa – Markus Lehmann – Global Strategic Counsel Investment Engagement – Navigatio

Critérios e indicadores da norma ISO 13065:2015 para a bioenergia – Arnaldo Cesar da Silva Walter – Unicamp.

Mediadores: Humberto Jorge José (UFSC), Edson Bazzo – (UFSC

 

12h30 – Intervalo para almoço

 

14h00 – Painel  3:  “Cases”: Logística, Eficiência, Qualidade no uso da biomassa para energia 

Apresentações:

Parâmetros do processo de peletização e qualidade de pellets produzidos com diferentes tipos de biomassa residual – UDESC/Lages SC – Rodolfo Cardoso

Rendimento e Medida de Economia no uso da biomassa para energia– IST Ambiental –Senai – Ronald Schwanke.

Desafios para a instalação de um grande projeto de produção de pellet para exportação na região Sul do Brasil, Pinheiro Machado, RS – Afonso Bertucci – FINAGRO

 

Mediador: Matheus Fontenelle (IFSC)

15h00 Painel 4: Panorama político e  regulatório das florestas energéticas 

Apresentações  e Mesa Redonda:

Aldo de Cresci Neto – Conselheiro Especial de Florestas Plantadas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Carlos A. F. Evangelista – Presidente da ABGD – Associação Brasileira de Geração Distribuída

Mario Augusto de Campos Cardoso – CNI – Confederação Nacional da Indústria

Mediador: Jose Augusto Medeiros (UFSC)

 

16h30 – Conexão e Atuação.

O papel do IBiom dentro de uma rede de organizações que compõem o setor de Biomassa Energética

Luiza Stein  – Assessora Administrativa do Ibiom

16h50 – Mesa Redonda:

As iniciativas publicas e privadas que estão contribuindo para o desenvolvimento social, econômico e ambiental da cadeia da biomassa  no Estado

Secretarias de Governo, PRODEC, FIESC, BRDE, BADESC

Mediadora: Marli Luisa Juárez y Sales – Ibiom

17h20 – Encerramento e Café de Confraternização